Voltar

Dicas

Dicas

 

Confira um bate-papo pra lá de especial com o artista floral Paulo Perissoto

Para dar boas-vindas ao mês de abril e a chegada do outono, nada melhor do que bater um papo especial com um amante das flores. Paulo Perissoto é artista floral, paisagista, designer de interiores e professor ABAF (Academia Brasileira de Arte Floral). O especialista possui uma longa jornada no universo de eventos e, a cerca de oito anos, trabalha com a marca Porto Brasil. Confira nesta entrevista um pouco da trajetória do designer floral e algumas curiosidades sobre a profissão.

Confira:

Como começou sua trajetória no universo de decoração e eventos? Sempre foi encantado pela área?

Minha primeira formação não tem nada a ver com flores. Em 1989, me formei em Técnico em Agropecuária e, em 1993, em Administração de Empresas. Como sempre gostei de flores e decoração, uma amiga me levou a Campinas e me apresentou ao Sr. Alfredo Tilli e, em fevereiro de 1994, fiz o primeiro curso na Escola de Arte Floral Alfredo Tilli. Em maio do mesmo ano, abri a minha floricultura, e, no ano seguinte, comecei a fazer decoração de casamento e paisagismo. Em julho de 1994, voltei para fazer uma especialização com Alfredo e ele me convidou para o ajudar nos cursos. Então entrei para este mundo mágico das flores e me apaixonei. Há cinco anos fiz um curso de Designer de Interiores, outra área de atuação. Também busquei conhecimento fora, e hoje ministro cursos por todo o Brasil e exterior. Atualmente, nossa escola também está atuante na China

Em quais áreas um designer floral pode atuar?

São muitas as áreas. Eventos sociais e corporativos, lojas, residências, funerais, feiras, moda, mesa posta. Por exemplo, tenho amigos especializados em buquês de noivas, outros que apenas prestam serviços para decoradores e assim por diante.


E a mesa posta... ela apenas faz parte do seu trabalho ou você também leva esse conceito para o lar?

A mesa posta é uma das minhas paixões, eu já fazia este trabalho nos meus eventos, mas quando a Porto Brasil me contratou, me apaixonei mais ainda por este universo. Adoro receber, casa cheia, mesa bem arrumada, mesmo se for apenas um almoço almoçar ou jantar. Em casa, faço questão de colocar a mesa. Seria uma pessoa muito má comigo mesmo se não levasse esse conceito para casa.

Há quanto tempo você trabalha com a Porto Brasil? Como você atua nos eventos da marca?

Estou há oito anos com a Porto Brasil, mas parece que foi ontem. É tanta novidade que o trabalho parece sempre novo. A fábrica da Porto tem um showroom de 500m², o qual ajudei a projetar e faço a manutenção das mesas. Nas feiras, eu projeto todo o estande, desde a criação da estrutura, layout das mesas, escolha dos acessórios e flores. É um trabalho de quase um ano, mas é muito gratificante. Também faço alguns trabalhos para clientes da Porto em lojas, palestras e vitrines.

Sua casa possui jardins e muitos arranjos? Você gosta de colocar arranjos na mesa?

Moro em uma chácara, minha cidade é pequena, tem apenas 4 mil habitantes, então tenho o privilégio de ter muito verde. Minha casa fica no centro da chácara, então tenho jardim em todo entorno. Mas mesmo assim, tenho plantas e arranjos dentro de casa. A mesa está sempre decorada e, sempre que recebo amigos, a decoro com flores. Eu acho que uma casa sem flores e sem plantas fica muito fria. Flor é um vício, depois que você chega perto delas, não consegue mais viver sem.


Além de florista, decorador e paisagista, você também é professor de arte floral e ministra cursos. Você tem percebido mais interesse pela área nos últimos anos? Quem são os públicos dos seus cursos?

Tenho uma escola de arte floral em Holambra. Éramos três professores, mas Alfredo Tilli faleceu em 2016. Hoje, sou apenas eu e Tanus Saab. O público da escola é bem diversificado, mas os jovens têm aumentado nos últimos anos. Estão mais interessados em técnicas e em se profissionalizar. O público de mesa posta também tem crescido muito. Fico feliz com esse interesse, pois o país só cresce quando o povo se atualiza e se profissionaliza.

Você também é presidente da ABAF. Podemos dizer que é a primeira academia do país para artistas florais? Quais os objetivos dela?

Fui o primeiro presidente da ABAF, hoje sou Diretor de Copa. Sim, ela é a primeira academia do Brasil e o maior objetivo é a profissionalização. Para fazer parte da ABAF, é preciso ser florista formado e passar por uma prova prática, que é avaliada pelos professores da academia. Hoje, somos nove professores formados por ela em todo o país. O Brasil está entre os 10 melhores países em arte floral do mundo, estamos em 8° lugar na copa mundial e 1° na copa das Américas.

Qual o tipo de evento que mais gosta de atuar? Lembra de algum em questão que marcou sua carreira?

Em primeiro lugar, os cursos e workshops porque gosto de ensinar, isso me dá prazer. Depois, vem os eventos, feiras, casamentos e por aí vai. Cada evento que faço é único para mim, mas o que mais me marcou foi a minha primeira apresentação de palco. Lembro até hoje do friozinho na barriga!

Qual o estilo de mesa posta preferido? E suas flores?

Posso parecer meio tolo, mas não tenho um estilo de mesa ou flores preferidas, todas são lindas. Como aprendi a criar baseado na preferência de outras pessoas, crio sempre pensando no espectador. O segredo é fazer tudo com muito amor. Ouço muito essa frase ‘ Você é feliz! Vive no meio das flores’. Sou feliz porque amo o que faço, pois, ser florista requer muita dedicação e estudo.

As flores naturais continuam sendo as preferidas do público ou existe algum empate com as permanentes? Quais são as espécies mais queridas nos eventos?

Sim, as naturais são as preferidas. Acredito que isto não vai mudar nunca. As permanentes são usadas também nas decorações, mas em pequena quantidade. As mais queridas são as Orquídeas.

O outono chegou...quais as melhores flores dessa estação para decorar a casa? E quais as cores também?

Hoje, não temos mais problemas com flores, a produção é igual quase todo o ano, mas, no outono e inverno, começam a produção maior de Tulipas. A cor vai depender do ambiente que ela vai ser usada.

Em que você se inspira para suas criações?

A natureza é minha principal inspiração.

Arranjos de mesa são difíceis de serem elaborados? Dê algumas dicas coringas para quem está começando.

Não são não. Tudo que precisa é analisar o local, o tamanho da mesa e, principalmente, o público do evento. Montar uma mesa para uma exposição é uma coisa, para um jantar ou algo semelhante é outra.

Quais as regras básicas para a montagem de arranjos, exemplo: Estilo de flor, altura, perfume, tipo de base etc.

Regra básica, estudar primeiro a louça que vai ser usada, ela será determinante para a escolha da cor das flores, dos acessórios e assim por diante. O arranjo deve ocupar 30% da mesa e, se for um arranjo alto, não dever passar de 30cm de altura. O arranjo deve estar a 50cm da mesa.

Quais os passos para prolongar a vida das flores de um arranjo?

O principal é a água, caso contrário ela não aguenta. Mesmo que seja feita na espuma floral, é preciso ter um lugar de reservatório de água. Cortar os talos com canivete também é muito importante.

Quais os caminhos para quem quer se profissionalizar
Quais conselhos você dá?

O estudo é o melhor caminho e hoje existem várias escolas de arte floral no Brasil. Na minha, o aluno aprende a lidar com a flor, fazer arranjos e ter uma ideia do que é ser um florista. Tenho um lema comigo ‘Amo o que faço e o dinheiro é consequência deste amor’. Logo, os conselhos que dou são; trabalhe como um escravo. Governe como um rei. Crie como Deus!


Se você gostou deste conteúdo e quer conhecer mais sobre Paulo Perissoto, acompanhe os seus cursos e workshops pelo site www.escoladeartefloral.com.br ou siga no Intagram @pauloperissoto